O que já tem no Brasil GameShow 2011?

O Brasil Game Show já começou, mas a grande maioria das pessoas só deve comparecer durante o final de semana. Pensando nisso, o Aglomerado News foi dar uma espiadinha na BGS já nessa sexta-feira (1º dia aberto ao público, quarta e quinta foram dias apenas de “conferência”, hoje é o primeiro que tem a parte de “feira”) para adiantar aos nossos leitores o que eles podem esperar (e ir procurar) na feira.

Uma coisa prometida e cumprida: a feira está bem maior e, ao que me pareceu, posso dizer que está melhor organizada (e torço pra que continue melhorando).

No térreo temos basicamente os maiores e mais destacados estandes da feira, juntamente com outros menores e com a parte de comida (parte essa que parece sensivelmente melhor que ano passado).

Um dos estandes de destaque é o gigantesco espaço do grupo Seven com atrações diversas (que incluem máquinas de Pump It Up) e alguns jogos pra galera experimentar.

O estande da Sony é outra das atrações principais e conta com uma quantidade considerável de TV’s com consoles da empresa para se jogar. Há jogos diversos a disposição do público para um test drive, incluindo o remake de Shadow of the Colossus, juntamente com ICO e jogos para o Move (incluindo um “jogo de dança”). A franquia God of War também se faz presente, bem como inFAMOUS 2 com legenda e dublagem em Português (eu achei a voz do Zeke estranha, mas a do Cole me pareceu maneira, numa rápida ouvida) e mais outros títulos.

Outra gigante com presença na feira é a Mircorsoft, que também conta com um estande bem amplo e com jogos de diversos gêneros para o publico experimentar, assim como seu Kinect (com alguns títulos variados também). Há ainda um modelo (de carro, claro!) para ajudar na divulgação do novo Forza.

Kinect
Uma menina tentando um jogo de dança. Ao lado, o rapaz tenta a sorte numa game de corrida.

Outro estande que chama bastante a atenção é o da NC Games que conta com uma gama bem variada de jogos para o público degustar. Há uma área em destaque no estande para o jogo Just Dance 3. Tão interessante, ou talvez até mais que o destaque para o jogo de dança é a variedade de games para o público experimentar: há jogos desde bem conhecidos como Street Fighter IV, Marvel vs Capcom 3 ou Ace Combat até jogos menos famosos como Catherine: Love is Over.

Havia ainda um estande grande (ou talvez seriam estande contíguos menores “fundidos”?) com destaques para alguns jogos como Batman Arkham City (jogo para o qual há um telão), Battlefield 3, O Senhor dos Anéis – A Guerra no Norte, Fifa 2012, LEGO Harry Potter…

Batman
Ô, Morcegão, tem que ficar quieto pra poder tirar foto! Senão sai tremida.

 No mezanino há a área “business to business”, não muito interessante para o público em geral e também é onde ocorre o Brasil Game Jam, além de ter a sala VIP e a de Imprensa (muito boa por sinal, bem melhor que a do ano passado).

O segundo andar é destinado a estandes em via de regra menores, mas nem por isso desinteressantes. Há alguns estandes onde é possível fazer degustação de jogos (foi num estande do 2º andar que eu consegui uma ouvida na dublagem do inFamous 2, já que no térreo o barulho impossibilita), há estandes vendendo jogos (para consoles diversos) e outros vendendo “quinquilharias” diversas, como camisas, botons, ímãs de geladeira, chapéus, figures, plushies… Há também estandes “menos relacionados diretamente a jogos” como o de um curso de língua (com certo enfoque em Japonês).

Meninas Propaganda
Kanban Musumes de Kimono (e All Star?)

Se você, assim como eu, é dono de um PS3, pode querer dar uma olhada no estande do site myPS3t, um site brasileiro que conta com Raking de troféus na PSN (assim vc pode saber sua colocação nacional, por estado, semanal, mensal…) e també, fóruns, dicas, etc.

Ainda no segundo andar está o “Museu do Video Game”, uma adaptação (para melhor) do túnel do tempo dos VG’s que havia ano passado. Com basicamente o mesmo conteúdo, mas com boxes espalhados por uma área maior e que não é numa passagem obrigatória para o público, o Museu agora permite a quem quiser dar uma conferida com mais calma, fazê-lo com mais conforto. Há também um telão conectado a um Atari (isso mesmo, dentro do Museu do Video Game) onde é possível jogar alguns games disponibilizados.

TelãoAlguns Jogos do Atari

Há também “Áreas de Arcade”, com algumas máquinas liberadas para o público. Não são muitas máquinas (umas 3 delas pelo menos com algum The King of Fighters), mas estão dividas em algumas salas individuais o que em horários de maior movimentos deve contribuir para diminuir (ou evitar) a aglomeração excessiva de jogadores.

Claro que isso não é tudo o que a feira reserva, são apenas alguns destaques e/ou curiosidades vistas numa passeada rápida pela feira. Dependendo do seu gosto pessoal, o melhor da feira você só vai descobrir pessoalmente.

Resumindo…

A primeira impressão que a BGS 2011 passou foi muito positiva, a organização parece ter dado uma caprichada mais bacana esse ano com mais atenção a alguns detalhes (ausência de um “gargalo” logo na entrada, mais cuidado/atenção com a parte de “alimentação”). Na minha humilde opinião esse ano deve ocorrer mais ou menos o que ocorreu ano passado: no horário de maior movimento vai ser um bocado complicado lá dentro, mas este ano acredito que se ocorrer, será pela pura quantidade expressiva de visitantes, a organização parece ter feito direitinho seu dever-de-casa.

Rafael-san

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *