Rio Game Show 2009

rio_game_show

E no dia 28 de novembro tivemos a 2ª edição do Rio Game Show, que desta vez aconteceu no Centro de Convenções Sulamerica. Vamos analisar todos os pontos positivos e negativos deste evento, que torço desde já para que continue sendo feito ano após ano para que se torne de fato o maior evento de games do Brasil…

Rafael-san também foi ao evento e estará fazendo intromissões ao longo do post, sempre marcadas em Azul-negrito para diferenciar das falas do Felipe-san.

Já podemos começar elogiando o local que além de ter um excelente espaço, ainda tinha ar condicionado central e boas salas para as palestras.

Aliás como veremos na próxima foto, o evento utilizou somente metade do espaço disponível no salão do Centro de Convenções, vamos torcer para que este continue sendo o local do Rio Game Show, e com seu crescimento ele vá se expandindo dentro do espaço.
Que lendo de trás para frente, significa que o evento não tinha conteúdo suficiente para preencher todo o espaço do salão… espero que o evento realmente CRESÇA. O Brasil merece (em parte, ao menos) ter eventos decentes, principalmente (mas não só) na área de games, tecnologia, eletrônicos…

DSC02258 DSC02251

O evento contou com estandes das seguintes marcas:

Nvidia – Neste estande era possível ver micros usando a tecnologia 3D Vision, que é realmente muito boa. Joguei o Modern Warfare 2 e finalmente vejo uma tecnologia decente, sendo que até então só tinha visto algo parecido nos óculos 3D do Master System que eu acho excelente até hoje. De ruim só o tamanho do óculos que achei meio folgado no rosto, mas nem conferi se ele tinha algum controle de ajuste, enfim, os jogos podem se beneficiar e muito com essa tecnologia porque aumenta e muito a imersão do jogador.
Os gabinetes transparentes enfeitados com LED que tinham no estande estavam bacanas também… embora eu duvide que teria um desses em casa… dormir iria ser um suplício…

DSC02216 DSC02226

Olhem a foto acima e digam: se ajeitarmos os trajes, não fica um verdadeiro agente de “Matrix”?

Konami – O stand da Konami era basicamente composta pelo Pro Evolution Soccer 2010, vi muito pouco pela cabeçada de gente que tinha lá, mas não me despertou interesse até porque esse jogo eu já estou cansado de ver :p

Leadership – O stand da leadership tinha alguns produtos para vender, mas a variedade era muito pequena e não tinha nada de interessante lá.

Level Up! – A empresa montou um palco com o jogo Rock Band – The Beatles, que era bastante interessante de se ver, difícil mesmo era escutar o povo cantando, em todo caso este estava bem animado e permaneceu lotado todo o tempo. No final do dia teve o concurso de cosplayers e sorteio de brindes para seus jogos multiplayer online.
Legal é a tonelada de gente que (sabendo que o sorteio é no fim do dia) bota o raio do cupom de sorteio na urna e vai embora cedo… teve prêmios que dava sono de esperar alguém presente ser sorteado.

Além disso tínhamos stands variados vendendo jogos, revistas e mangás, mas sinceramente essa parte do evento estava bem sem graça, não existia uma grande variedade de produtos para comprar e muito menos promoções ou grandes descontos que valessem a pena. Vamos torcer para que na próxima tenhamos mais produtos num próximo evento.
O melhor mesmo era o estande do Comix Shop vendendo mangás com 30% de desconto… fala sério, num evento de games o melhor estande de vendas ser um estande de mangás/comics… ou as promoções desse estande seriam MUITO ARRASADORAS (não foi exatamente o caso) ou há algo de errado com a parte de “vendas” nesse evento…

Para jogar tínhamos várias máquinas arcade, com jogos como Cruis´n Usa e Pump It Up, senti falta de clássicos de corrida como o Daytona Usa e de jogos da capcom como Captain Commando ou Cadillacs & Dinossaurs, com certeza ia fazer questão de joga-los.
E como em todo lugar onde há uma máquina de Pump, tinha uma meia dúzia de viciados malditos monopolizando a máquina e espantando o público que não é acostumado com “máquinas de dança”. Bastou eu e o Felipe subirmos 1 vez na máquina e botarmos umas músicas bacanas,mas relativamente fáceis e passíveis de serem entendidas por quem não conhece o jogo que junto um enxame ao redor da máquina (até me lembrou um pouco os bons tempos de Playnorte…). Bastou os caras “bons” subirem na máquina de novo que o aglomerado de gente desfez-se.

E essa que achei muito bacana, que eram vários videogames clássicos para relembrar os velhos tempos, logo tínhamos Atari, Master System, Nintendo, Mega Drive, Super Nintendo, Sega Cd, que merece até um comentário porque era um aparelho que nunca tinha visto antes, como vocês veem na foto abaixo :

DSC02233 DSC02209

Um verdadeiro trambolho que lia até LD (Laser Disc)!!!

Tínhamos também, um Sega Saturn, que até agora não entendi do porque colocar o jogo Olympic Soccer nele, um Nintendo 64 e Xbox. Todos eles ligados em tvs de LCD e liberado para jogar. Bem bacana.

Tivemos as palestras também, que foram o ponto alto do evento para mim. Assisti as duas com foco na programação em games para os sistemas da Microsoft, aonde foram explicadas como funciona o sistema XNA e até como ganhar dinheiro, usando o sistema de indie games da Live, e participando de campeonatos de programação de jogos para obter visibilidade no cenário.

DSC02239 DSC02227

Um vídeo que foi mostrado a todos e que vale a pena rever é do jogo que está sendo feito por Peter Molyneux para o Projeto Natal do Xbox360, que realmente surpreende a todos pela espantosa capacidade que o jogo tem de reconhecer sons, imagens e interação que o personagem principal do jogo pode ter com o jogador.

A outra palestra foi da Level Up!, que tinha como foco mostrar a história da companhia e apresentar novidades que serão lançadas em breve.
Apesar de o mercado de consoles no Brasil ser meio morto, não se pode subestimar o mercado Online de games… fora que um gamer que se acostume a jogar um jogo online usando estrutura oficial (e não servidores piratas) pode perfeitamente fazer algo semelhante se decidir adquirir um console. Eu mesmo não conhecia direito essa parte de jogos no BR e achei interessante… se tivesse + tempo livre talvez eu até mesmo entrasse num joguinho online ou 2 pra me divertir… mas mal dou conta dos meus jogos no PS2 (há quase 15 dias intocado…)

DSC02243

Por fim, o evento mais esperado do dia, que lotou a sala e trouxe vários jornalistas foi a vídeo-conferência com o criador do videogame Ralph Baer, que foi muito boa, esbanjando simpatia e boa vontade ao responder as perguntas, o criador falou sobre as dificuldades em fazer as empresas acreditarem no sucesso que seu invento poderia alcançar, e também da sua crença que o futuro dos jogos será alcançar o nível de foto realismo nos jogos e no uso de 3D.

DSC02248

Com seus 87 anos ele disse que gosta dos videogames atuais e joga bastante com seu neto o Nintendo Wii. No final ele foi aplaudido de pé por todos os presentes e respondeu sorrindo e acenando para todos.
Não desmerecendo a entrevista do vovô-criador, mas o que prendeu mais a minha atenção foi a (para mim, inusitada) presença de um poster de Tengen Toppa Gurren Lagann (anime) ao fundo… realmente, por uma dessas eu não esperava. De quem será o quarto de onde ele fez a vídeo-conferência? Será que ele (também) é fã da Yoko? =P

Veja a baixo o vídeo dele mostrando seu invento:

E por fim, não poderia deixar de mostrar algumas fotos das garotas do evento, que lindas e simpáticas como sempre, fizeram a sua parte tornando o Rio Game Show muito mais bonito.

DSC02274

DSC02219

DSC02210

Esse de azul enfeiando a foto sou eu… 😛

Bom, para concluir, o Rio Game Show tem um caminho longo para trilhar, com certeza um maior número de stands e palestras fariam este evento ser mais interessante. Pelo menos eles acertaram no local desta vez que foi muito bom. Esperamos que este evento continue existindo e que junto com ele cresça o interesse do público e das empresas de jogos, tornando ele assim de fato o maior evento de games do Brasil, e quem sabe da América Latina.
Como disse o Felipe, potencial a coisa tem. Houve um ou outro furo da organização, um outro detalhes que podia estar melhor amarrado, mas para um evento nascente, eu creio que o balanço final foi positivo. Realmente espero que a coisa melhore e cresça… já passou da hora de o Brasil entrar no circuito mundial de eventos de games, tecnologia…

Post conjunto por Felipe Silva e Rafael-san, O Enxugador de Gelo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *