Review: Buffy – Once More, With Feeling

Em 6 de novembro de 2001 foi ao ar o episódio “Once More, With Feeling”, do seriado Buffy, a Caça Vampiros. E foi incrível! Como assim isso já tem 10 anos?! De diferente de todos os episódios anteriores, esse foi um musical, cantado por quase todos o elenco. Então hoje vou reunir minhas paixões em um único post : música, Joss Whedon e Buffy. * chora de emoção*

Ah, o quê? Você nunca ouvir falar dessa série? De que planeta.. A trama é, em resumo, a história de Buffy, que é uma caça vampiros (tem uma a cada geração), e seus amigos numa cidadezinha na Califórnia, situada exatamente em cima da Boca do Inferno. É um lugar ótimo para criar os filhos, já que é sempre apocalipse à vista. Vampiros, demônios, múmias, bruxas, cientistas malucos… todo mundo acaba indo parar lá. Foram sete temporadas de fim do mundo (de 1997 a 2003), com personagens incríveis que se comunicavam basicamente por sarcasmo. A série veio da mente de Joss Whedon, criador das séries nerds Angel, Firefly, Dr Horrible Sing-a-Long Blog e Dollhouse, e diretor do filme novo dos Vingadores e de Alien, a Ressurreição.

Once More, With Feeling é o sétimo episódio da sexta temporada (ou episódio 108), e se você nunca viu a série e quer entender o que está acontecendo, eu explico – mas aviso que o próximo é um parágrafo de spoilers, então é a boa pular se você quiser ver a série. Esse episódio rendeu um cd (e posteriormente, um dvd) só pra ele, lançado em 2002.

–SPOILER! Nesse episódio, temos todo mundo acordando e de repente começando a cantar como se estivessem em um musical. E o pior: as pessoas só dizem a verdade quando cantam. Buffy está tentando se readaptar ao mundo dos vivos (e não queria contar que os amigos arrancaram ela do paraíso), Willow não quer contar pra namorada Tara que botou um feitiço nela, para que ela esquecesse que a Willow anda abusando da magia, Xander e Anya tem seus medos do casamento, Dawn anda fazendo a Winona furtando jóias, Giles preocupado com a Buffy que não se importa com mais nada e Spike se declarou para a caça-vampiros e tomou um fora.

Agora, vamos às músicas? O episódio começa com uma versão alterada do tema de abertura, uma versão orquestrada, condizente com o clima. É uma das últimas faixas do cd, que começa com Overture (basicamente um mix das melodias que serão cantadas) e Going through the Motions, cantada pela Sarah Jessica Gellar. A idéia dessa música vem de Part of Your World, cantada pela Ariel em A Pequena Sereia. É…Disney.

A segunda, I´ve got a Theory, é cantada pela Buffy e seus amigos: Giles (Anthony Head ), Anya (Emma Caufied), Willow (Alyson Hannigan), Tara (Amber Benson) e Xander (Nicholas Brendon). Essa música faz referências a outros episódios da série e ao medo que a demônia Anya tem de coelhos. Começa como uma cantoria feliz, depois temos o “solo rock” da Anya e uma pequena mudança da melodia quando a Buffy.

Sabe aquela imagem mental que as pessoas tem de musical da Broadway? Com coreografias elaboradas em grupo, e um coro repetindo o que alguém acaba de dizer? Joss Whedon resolveu gastar isso numa faixa de 19 segundos: The Mustard, cantada por alguém aleatoriamente na rua. E… a faixa é cantada por um dos roteiristas da série, David Fury.

A seguir, é a música fofa cantada pela Tara , Under your Spell. O que é estranho, uma vez que a Tara raramente fala na série. E é lindo! É uma baladinha romântica, meio pop rock, e a atriz realmente sabe cantar. Toda a cena de sexo entre Willow e Tara é perceptível tanto na cena quanto na letra.

I´ll never tell, faixa 5 do álbum, é cantada pelo casal Xander e Anya, nos moldes dos musicais dos anos 50. Imagina, um dia você acorda e começa a contar todos os podres da relação,tudo o que você não gosta no outro, por meio de música e dança… É o pesadelo de qualquer casal! Não é – como diz a própria Anya mais tarde no episódio – de forma alguma, candidato a sucesso pop.

No mesmo esquema de The Mustard, temos a faixa The parking Ticket, cantada pela outra roteirista e produtora da série, Marti Noxton. No disco, a música é bem maior e muito mais engraçada. Não tem a menor importância na trama do episódio,é só uma mulher aleatória tentando convencer o guarda a não multa-la… Na versão do cd, ela chega a apelar para o “ não estou usando calcinha”.

E então, a faixa do Spike, Rest in Peace. É a primeira vez que James Marsters canta no episódio. Claro, sua semelhança com Billy Idol rendeu a ele a música mais rock do episódio. Em 2003, James Marsters montou uma banda, Ghost of the Robot, e gravou o disco Mad Brilliant, e chegou a fazer turne pela Europa. No ano seguinte, ele partiu para carreira solo, gravando Civilized Man (2005) e Like a Waterfall (2007). Mas isso é assunto pra outro post.

Voltando ao Once More, With Feeling as próximas duas faixas são as da Dawn, que são basicamente instrumentais – uma vez que a Michelle Trachenberg não se sentiu confortável com essa coisa de cantar, Dawn´s Lament e Dawn´s Ballet. E as duas são… chatas. Combinam com a personagem. Depois, o jazz What you Feel, cantado por Hinton Battle, ator da Broadway, na pele do demônio Sweet.

Anthony Steward Head, o Giles, já havia cantado antes na série – na quarta temporada ele canta Behind Blue Eyes, do The Who, e Free Bird, do Lynyrd Skynyrd. A canção dele, Standing, parece muito com o que ele já tinha mostrado antes na série. A letra dela é bem depressiva, sobre os limites de tentar ajudar e acabar fazendo tudo pelos outros. Anthony foi outro que se empolgou e gravou um álbum, Music for Elevators, em 2002. Não foi a primeira vez, já que ele tinha participado em 1990 de uma montagem do The Rocky Horror Picture Show que é uma das melhores coisas do mundo.

A faixa 12 é uma reprise de Standing e Under Your Spell, e esse dueto se repete na colaboração de Amber Benson no álbum de Anthony Head. Em seguida, a canção mais complicada do musical, Walk Through the Fire, onde todos cantam, de maneira meio que sobreposta, conecta com as músicas anteriores.

E então o climax, Something to Sing About, cantada pela Buffy, numa variação louca de tempos: começa com uma melodia feliz, vai pro rock, então pro pop , engrena na melodia mais triste do musical inteiro, e então vai pro jazz rock, e tudo isso seguindo a letra da música, de acordo com os segredos que Buffy tem a revelar. Uma coisa importantíssima, ao ver o vídeo, é perceber o pancadão que a Tara dá na pilastra enquanto rodopia, e depois ela rindo e tentando se recompor.

Com o final não exatamente feliz, o musical se despede com a reprise de What you Feel e What do we go from here, com todo mundo cantando de novo. Há ainda Coda, com Buffy e Spike.

O musical acabou, mas o cd não! Ainda temos as faixas instrumentais End Credits, Main Title (a versão jazz da música de abertura ), Suite from Restless (último episódio da quarta temporada), Suite from Hush ( o MELHOR e mais genial episódio de Buffy, também da quarta temporada) e Sacrifice (do último episódio da quinta temporada, The Gift). A última faixa é uma versão demo de Something to Sing About, cantada pela esposa do Whedon.

Once More, With Feeling, é um episódio de suma importância para a trama. E é um musical que agrada até quem não gosta muito de musical. Não se prende a nenhum estilo, cada personagem canta o que mais se parece com ele. É um trabalho excelente, de um autor que conhece seus personagens e seus atores. Uma pena que a Alyson e a Michelle não cantam – faz sentido a Willow não cantar, uma vez que logo na primeira temporada ela diz que cantar em público é o grande pesadelo dela (no episódio Nightmare, ao qual fazem referência nesse).Garantiu-me muito entretenimento quando passou, garantiu-me reassistindo pra postar e com certeza quando eu assistir de novo, vou me divertir. E pensar que a idéia disso surgiu uma noite bebendo e lendo Shakespeare na casa do Whedon. Há dez anos… direto do túnel do tempo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *