Sherlock – Primeira Temporada

Sherlock é uma série inglesa que estreou em 2010 na BBC com um objetivo ousado: adaptar o personagem Sherlock Holmes aos dias de hoje. Mesmo estranhando a ideia num primeiro momento, os constantes elogios que a série recebeu desde a sua estréia me fizeram assistir seus episódios e acabei comprovando a sua qualidade.

Os atores Benedict Cumberbatch e Martin Freeman estão simplesmente perfeitos nos papéis de Sherlock Holmes e John Watson respectivamente. Toda a dinâmica dos dois personagens está muito bem representada na série, assim como as esquisitices de Sherlock que continua brilhante e com seu alto poder de dedução. Os melhores momentos da série são justamente quando ele explica como ele chegou as conclusões para logo em seguida ver a cara de bobo do Watson.

Um grande mérito da produção da série é mostrar Sherlock fazendo bom uso de tecnologias como celular e internet, ajudando-o a solucionar e até mesmo se comunicar com os vilões que aparecem nos episódios.

Para quem não assistiu a série, recomendo que assistam agora e aproveitem para ver uma adaptação que consegue respeitar e muito o material original, apenas mudando a época.

Para quem já assistiu, continua a leitura que irei discutir alguns detalhes da trama da primeira temporada.

SPOILERS

No primeiro episódio temos o Sherlock tentando provar que uma série de suicídios aleatórios são na verdade assassinatos. Aqui descobrimos a má fama que o detetive tem perante os policias de Londres, só sendo tolerado por sua inteligencia que é acima do normal. Além disso temos a hilária participação de Mycroft Holmes que está ótimo e demonstra ser tão inteligente quanto seu irmão detetive. O vilão deste episódio não é muito interessante, mas sua conversa com Sherlock no final do episódio é eficaz em demonstrar que o ego do detetive é muito grande, com ele chegando a ponto de apostar a própria vida para provar que está certo.

O Segundo episódio é um pouco mais fraco, temos toda uma trama envolvendo a máfia chinesa que é um pouco monótona, sendo o maior destaque a relação de Sherlock e Watson, que começa a querer levar uma vida normal com trabalho e até namoro mas sendo sempre sabotado pelos chamados amalucados do detetive. Além disso o gancho no final de que Moriarty está de olho no herói cria uma expectativa para o próximo episódio.

E então chegamos ao terceiro episódio, disparado o melhor da temporada por termos finalmente alguém desafiando o detetive, usando reféns e tempo determinado para que ele resolva vários casos que ficaram sem solução.

Após Sherlock conseguir descobrir todos casos, chegamos ao eletrizante final em que vemos pela primeira vez em carne e osso o arqui-inimigo Moriarty. Que mostra ser tão inteligente quanto o herói e que ainda pode se vangloriar de como enganou o detetive.

O final em aberto é de tirar o folego e mostra que Moriarty será uma grande dor de cabeça para Sherlock e Watson, visto que o herói não consegue de maneira nenhuma até aqui prever os próximos movimentos do vilão que o deixa numa situação limite. Agora é correr para assistir a segunda temporada e ver como os acontecimentos deste episódio irão afetar os personagens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *